Entenda mais sobre a Doença Celíaca

Imagem de moni08 por Pixabay

A Doença Celíaca (DC) é caracterizada por ser uma reação imunológica que ocorre no sistema digestivo, em específico no intestino delgado. A reação imunológica ocorre através do contato entre as partes da proteína vegetal conhecida como glúten por meio da alimentação do paciente. 

As partes do glúten como a gliadina do trigo depois de serem quebradas por enzimas digestivas conseguem penetrar a permeabilidade da mucosa intestinal, de maneira que resultará na ativação dos sistemas de defesas dos linfócitos T e B, esses portanto irão começar a produzir respostas imunológicas agressivas ao intestino delgado, respostas das quais podem provocar lesões teciduais e atrofia das microvilosidades intestinais formadas pelos enterócitos, que em sua consequência culmina na diminuição da absorção de nutrientes. 

  Para que a DC se manifeste pode-se considerar  fatores genéticos, imunológicos e ambientais. Substâncias encontradas no glúten que interagem na DC são: gliadina do trigo e a secalina no centeio. Será então encontrado o glúten em todas as massas mais comumente consumidas originadas destes grãos pois o trigo é comumente a fonte de 20% do total mundial de calorias consumidas pelo homem, ele é o alimento básico da civilização moderna . Foi observado que a gliadina e a secalina produzem toxicidade em pessoas com DC, já em relação a hordeína na cevada e a avenina da aveia não existem relatos de toxicidade, entretanto por questões de armazenamento nas indústrias, plantações próximas e uso comum de maquinário, constantemente são encontradas as partes do glúten relacionadas a DC na aveia e cevada também, correndo através de contaminação cruzada. 

A DC é classificada como : clássica, não-clássica, latente e assintomática. A forma clássica geralmente ocorre nos primeiros anos de vida e se caracteriza principalmente pela: diarréia crônica, vômitos, irritabilidade, falta de apetite, anemia, anorexia, déficit de crescimento, distensão abdominal, fezes fétidas, gordurosas e volumosas, entre outros sintomas, se diagnosticada tardiamente os sintomas podem evoluir para desnutrição grave devido as séries subsequentes de diarréia e vômitos, causando desidratação hipotônica grave e hemorragia . A forma não clássica pode ser encontrada tardiamente na infância, os sintomas são discretos,geralmente são : baixa estatura, anemia por deficiência de ferro refratária à ferroterapia oral, artralgia ou artrite, constipação intestinal, hipoplasia do esmalte dentário, osteoporose e esterilidade. Em média 10% dos indivíduos com baixa estatura quando submetidos a biópsia do intestino delgado apresentam atrofia da vilosidade total. A hipoplasia do esmalte dentário, é um problema muito grave que afeta principalmente adultos e adolescentes. 

       O diagnóstico é feito através de métodos de biópsia da junção duodeno-jejunal verificando a atrofia das microvilosidades, exames sorológicos detectando anticorpos antitransglutaminase   tecidual   ou antiendomísio, e a presença ou não de sintomas. A anamnese detalhada dos sintomas em junção aos níveis séricos e análise histológica formam exames complementares para se diagnosticar a Doença Celíaca de maneira mais eficaz. 

         Uma segunda biópsia é necessária após um ano de retirada do glúten da dieta, para se checar o estado de saúde das microvilosidades intestinais do paciente.  

  A legislação brasileira protege o direito dos consumidores celíacos. Conforme a Lei nº10.674, a indústria alimentícia deve informar se o produto contém ou não contém glúten nas embalagens de todos os alimentos industrializados. 

Atenção: As informações deste portal pretendem apoiar e não substituir a consulta médica. Procure sempre uma avaliação no Serviço de Saúde. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui