Flávio Bolsonaro fez retiradas em conta de loja nos mesmos dias em que franquia recebeu depósitos em dinheiro, revelam extratos

Promotores indicam relação direta entre as contas bancárias do senador e esquema ilegal da ‘rachadinha. Defesa nega qualquer irregularidade nas contas de Flávio.

Uma análise dos extratos bancários da quebra de sigilo da loja de chocolates do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos) mostra que o parlamentar fez retiradas, como sócio, nos mesmos dias em que a franquia recebeu depósitos em dinheiro vivo.

Os documentos revelam as operações – dia a dia – de entradas e saídas na conta bancária da loja de chocolate. O Jornal Nacional cruzou os dados e encontrou coincidência nos valores.

Em várias datas, Flávio Bolsonaro, como sócio da loja, fez retiradas de valores assim que a franquia recebia depósitos fracionados em dinheiro. Na maioria das vezes, os valores eram “redondos”. Essas entradas e retiradas têm valores bem parecidos:

  • Nos dias 25 e 26 de janeiro de 2016, a loja recebeu 12 depósitos fracionados, 6 com o mesmo valor cada, R$ 3 mil em dinheiro. O valor total depositado foi de R$ 25.559. No dia 27 do mesmo ano, Flávio fez uma transferência da conta da loja pra conta pessoal dele de R$ 25.555.
  • Em 21 de novembro de 2017, foram depositados na franquia R$ 24.566 em dinheiro. Dos 11 depósitos fracionados, 8 têm valores redondos que somam R$ 20 mil. No mesmo dia, Flávio fez uma transferência da loja pra ele de R$ 20 mil.
  • Em 18 de dezembro de 2017, a franquia de chocolate recebeu R$ 35.724 em dinheiro. Foram 11 depósitos de valor redondo – 10 de R$ 3 mil e 1 de R$ 1 mil. Todos juntos somam R$ 31 mil. No mesmo dia, Flávio tirou da loja e transferiu pra conta dele R$ 30 mil.

O cruzamento indica uma movimentação que está na mira do Ministério Público. Os promotores indicam uma relação direta entre as contas bancárias de Flávio e o esquema ilegal da “rachadinha” – quando funcionários do gabinete devolvem parte dos salários pagos com dinheiro público.

Para o MP, o dinheiro seria o mesmo. Além disso, a franquia, segundo promotores, foi usada como uma “conta de passagem”.

O Ministério Público aponta também a coincidência dos depósitos em dinheiro na loja no mesmo período em que o ex-assessor de Flávio, Fabrício Queiroz, arrecadava parte dos salários dos assessores da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, no esquema da “rachadinha”.

Também de acordo com o MP, esses “créditos espúrios” retornavam pra Flávio como lucros fictícios, com a finalidade de lavar dinheiro de crimes antecedentes.

A quebra do sigilo, com autorização da Justiça, mostra que Flávio Bolsonaro fez 54 transferências de dinheiro da franquia para a conta dele. O MP diz que é retirada de lucro. Entre 27 de março de 2015 e 30 de novembro de 2018, foram R$ 978.225.

A defesa do senador Flávio Bolsonaro nega qualquer irregularidade nas contas do senador e afirma que todas as informações sobre o caso já foram prestadas ao Ministério Público.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui